Na vida a gente tem que ter sempre alguns objetivos, creio eu, e saber que com ele tem diversas variáveis que podem atrapalhar ou ajudar alcançar. Até setembro meu objetivo era um, mas a vida me presentou com o Lorenzo e ser o melhor pai do mundo virou meu principal objetivo atual e pro resto da minha vida.

Mas porque ser o melhor pai do mundo?

Nós passamos por várias situações na vida que devemos tirar lição de tudo, o jeito de eu falar pode parecer que meu pai não foi um grande pai, pelo contrário, meu pai é um espelho para mim, por tudo que ele me ensinou e ainda ensina. Meus pais se separaram quando eu tinha 8 anos, mas isso não me fez uma pessoa pior ou com problemas psicológico por isso (pelo menos é o que eu acho), pelo contrário me trouxe grandes ensinamentos. O Lorenzo vai crescer com pais separados também, e também não quero fazer disso um problema, e (acredito que) não será.

Nos últimos meses conversei com muitos amigos sobre relação de pai e filho, e acreditem, muitos não tem o menor carinho pelo pai, e todos eles com uma grande razão, geralmente ligada a ausência e/ou a falta da "Postura de Pai", o que acumulou toda a criação para a mãe. Essa falta de um pai também não tornou essas pessoas ruins, pelo contrários, são pessoas maravilhosas que estão na minha vida. Mas isso nos leva a me colocar no lugar delas e pensar no quanto elas gostariam da presença de um Pai (Sim, com P maiúsculo)

Minha sobrinha também não cresceu com o pai presente, por motivos diferentes dos meus amigos e que não vem ao caso no momento, mas eu sinto como ela sente falta. A figura paterna ao qual ela tem e respeita sou eu e meu irmão. Há uns anos atrás no dia dos pais, a escola pediu para que ela desenhasse o seu pai e para minha surpresa quando cheguei em casa recebi de presente um desenho dela.

Fiquei sem saber o que falar, lagrimas vieram ao meus olhos, mas a contive, talvez por um pouco de orgulho, mas perguntei a ela o motivo dela me desenhar e não o pai dela e ela respondeu que apenas sentiu vontade. Acho que para uma criança de 7 anos (na época) isso diz muita coisa.

Enfim, volta a pergunta porque ser o melhor pai do mundo?

Pode ser algo para inflar meu ego? Talvez. Mas sei que com este pensamento será positivo para ambos. Quero poder receber um abraço e falar que ele se orgulha de mim e se espelha em mim, assim como eu posso falar do meu pai. Isso é sinal que minha missão foi cumprida. Se estou no caminho certo? Eu não sei, mas posso afirmar com toda certeza que eu estou tentando.

Mas também pode ser para tornar o Lorenzo a criança mais feliz do mundo, afinal, quem não deseja a maior felicidade aquele que ama, não é?

Como fazer isso é um assunto para um outro dia.

Tags

comentários (0)

Sem comentários