Quando será que deixa de ser perturbador ver os olhos sem vida de alguém e ter que forçar para mantê-los fechados? Será que um dia vou aprender a fechar os meus olhos e não forçar abri-los toda vez que as imagens do dia cruzam minha mente?

    Amo o que faço, acordo feliz todos os dias sabendo que será um novo dia para salvar vidas - mesmo que algumas vidas não estão destinadas a se salvarem nesse dia.

    É um dos encantos da minha profissão, e um dos motivos pelos quais acho que me encaixo tão perfeitamente nela: fazer o que faço é intenso. Mexer com vida e morte, com ganhos e perdas, com freio e acelerador, não é pra quem quer levar a vida sem compromisso ou só no raso. Requer demais e não se pode simplesmente dar de ombros a tudo isso. 

    Por isso quando eu amo, eu amo com todas as forças. E tudo o que sinto (raiva, frustração, melancolia, saudade, alegria, paixão), sinto pra valer. Odeio gente nem fede nem cheira, odeio lugares ou situações "mais ou menos". Por isso que hoje estou perturbada, e perturbada pra valer, ao fechar os olhos e não poder "desver" as imagens impactantes dos meus dias.

    Não sei se um dia vou lidar melhor com isso. Mas se fosse pra ser mais ou menos, eu nem seria. Viraria pro lado, fecharia sem esforço meus olhinhos sonolentos e adiaria meu dia de salvar vidas mais uns 15 minutinhos. 

Tags

comentários (0)

Sem comentários